terça-feira, 21 de junho de 2011

AINDA SOMOS PALHAÇOS DEMAIS...





O Dr. Içami Tiba está por aí ganhando milhões com uma palestra piegas intitulada "Os pais que levam o filho à igreja, não vão buscá-lo na cadeia !!! ..." E claro, como muito esperto e safado que é, lista alguns pontos importantes, como autênticos chantilee na merda para engagnar trouxas como nós, dentre os quais listo e tento explicar:

1. A educação não pode ser delegada à escola. Aluno é transitório. Filho é para sempre.

2. O quarto não é lugar para fazer criança cumprir castigo. Não se pode castigar com internet, som, tv, etc...

3. Educar significa punir as condutas derivadas de um comportamento errôneo. Queimou índio pataxó, a pena (condenação judicial) deve ser passar o dia todo em hospital de queimados.

4. É preciso confrontar o que o filho conta com a verdade real. Se falar que professor o xingou, tem que ir até a escola e ouvir o outro lado, além das testemunhas.

5. Informação é diferente de conhecimento. O ato de conhecer vem após o ato de ser informado de alguma coisa. Não são todos que conhecem. Conhecer camisinha e não usar significa que não se tem o conhecimento da prevenção que a camisinha proporciona.

6. A autoridade deve ser compartilhada entre os pais. Ambos devem mandar. Não podem sucumbir aos desejos da criança. Criança não quer comer? A mãe não pode alimentá-la. A criança deve aguardar até a próxima refeição que a família fará. A criança não pode alterar as regras da casa. A mãe NÃO PODE interferir nas regras ditadas pelo pai (e nas punições também) e vice-versa. Se o pai determinar que não haverá um passeio, a mãe não pode interferir. Tem que respeitar sob pena de criar um delinquente.

7. Em casa que tem comida, criança não morre de fome . Se ela quiser comer, saberá a hora. E é o adulto quem tem que dizer QUAL É A HORA de se comer e o que comer.

8. A criança deve ser capaz de explicar aos pais a matéria que estudou e na qual será testada. Não pode simplesmente repetir, decorado. Tem que entender.

9. É preciso transmitir aos filhos a ideia de que temos de produzir o máximo que podemos. Isto porque na vida não podemos aceitar a média exigida pelo colégio: não podemos dar 70% de nós, ou seja, não podemos tirar 7,0.

10. As drogas e a gravidez indesejada estão em alta porque os adolescentes estão em busca de prazer. E o prazer é inconsequente.

11. A gravidez é um sucesso biológico e um fracasso sob o ponto de vista sexual.

12. Maconha não produz efeito só quando é utilizada. Quem está são, mas é dependente, agride a mãe para poder sair de casa, para fazer uso da droga . A mãe deve, então, virar as costas e não aceitar as agressões. Não pode ficar discutindo e tentando dissuadi-lo da idéia. Tem que dizer que não conversará com ele e pronto. Deve 'abandoná-lo'.

13. A mãe é incompetente para 'abandonar' o filho. Se soubesse fazê-lo, o filho a respeitaria. Como sabe que a mãe está sempre ali, não a respeita.

14. Se o pai ficar nervoso porque o filho aprontou alguma coisa, não deve alterar a voz. Deve dizer que está nervoso e, por isso, não quer discussão até ficar calmo. A calmaria, deve o pai dizer, virá em 2, 3, 4 dias. Enquanto isso, o videogame, as saídas, a balada, ficarão suspensas, até ele se acalmar e aplicar o devido castigo.

15. Se o filho não aprendeu ganhando, tem que aprender perdendo.

16. Não pode prometer presente pelo sucesso que é sua obrigação. Tirar nota boa é obrigação. Não xingar avós é obrigação. Ser polido é obrigação. Passar no vestibular é obrigação. Se ganhou o carro após o vestibular, ele o perderá se for mal na faculdade.

17. Quem educa filho é pai e mãe. Avôs/avós não podem interferir na educação do neto, de maneira alguma. Jamais. Não é cabível palpite. Nunca.

18. Muitos avôs/avós são desequilibrados ou mesmo loucos. Devem ser tratados. (palavras dele). 19. Se a mãe engolir sapos do filho, ele pensará que a sociedade terá que engolir também.

20. Videogames são um perigo: os pais têm que explicar como é a realidade, mostrar que na vida real não existem 'vidas', e sim uma única vida. Não dá para morrer e reencarnar. Não dá para apostar tudo, apertar o botão e zerar a dívida.

21. Professor tem que ser líder. Inspirar liderança. Não pode apenas bater cartão.

22. Pais e mães não pode se valer do filho por uma inabilidade que eles tenham. 'Filho, digite isso aqui pra mim porque não sei lidar com o computador'. Pais têm que saber usar o Skype, pois no mundo em que a ligação é gratuita pelo Skype, é inconcebível pagarem para falar com o filho que mora longe.

23. O erro mais frequente na educação do filho é colocá-lo no topo da casa. O filho não pode ser a razão de viver de um casal. O filho é um dos elementos. O casal tem que deixá-lo, no máximo, no mesmo nível que eles. A sociedade pagará o preço quando alguém é educado achando-se o centro do universo.

24. Filhos drogados são aqueles que sempre estiveram no topo da família.

25. Cair na conversa do filho é criar um marginal. Filho não pode dar palpite em coisa de adulto. Se ele quiser opinar sobre qual deve ser a geladeira, terá que mostrar qual é o consumo (KWh) da que ele indicar. Se quiser dizer como deve ser a nova casa, tem que dizer quanto isso (seus supostos luxos) incrementará o gasto final.

26. Dinheiro 'a rodo' para o filho é prejudicial. Mesmo que os pais o tenham, precisam controlar e ensinar a gastar. "A mãe (ou o pai!) que leva o filho para a igreja, não vai buscá-lo na cadeia..."

Ora não substimem mais a minha pobre inteligência. Me desculpem. Mas acho que é muito importante a gente discutir ideias em sua pluralidade. Mas na minha visão de estudioso de educação, odeio Içami Tiba, Gabriel Chalita, Augusto Cury e toda esta cnalhada, esta quadrilha, que não seu escritores, mas diria eu, criminosos, que usa a eduação, a ingenuidade, a purera do povo brasileiro pra fazer a apologia da educação a serviço da economia internacional, do desenvolvimento técnico-científico dos USA, fudendo as nossas crianças, a nossa sociedade, mas claro, diluindo coisinhas bonitas e boas para que o extremo veneno ideológico, social e político que acaba por nos desgraçar. Mas como somos bobinhos demais, tupiniquins demais, atrasados, burros demais e nos deixamos levar desde sempre.

Fui lendo o texto e morrendo de ódio, até que resolvi registrar uma rápida e superficial análise, para entabularmos, você e eu, um dedo de prosa, ou, que seja, um debate a respeito, o que acho que é muito bom, pois todos aprendemos.


Vamos lá:


Ítem 13 - Concordo integralmente. Mas quando ele generaliza que gravidez é um fracasso do ponto de vista sexual, ele já está fazendo a apologia contra o aumento da população brasileira, com o quê enriquece o primeiro mundo. O que é um crime. Claro que ele se refere à gravidez indesejada, mas do jeito que ele coloco , o leitor menos avisado vai incutir a idéia de que a gravidez é sempre um fracasso, devendo ser evitada, fazendo com isso um vergonhoso e criminoso controle familiar inconsciente. Um crime.

Quando ele diz que se o filho não aprender ganhando tem que aprender perdendo, ele não considera a eficiência e o sucesso de quem ensina. Ora, a pessoa só aprende bem quando é bem ensinada. Mas como quem ensina é autoridade, fica sempre protegida, só se coloca a culpa e o sofrimento nas costas de quem tem facilidade de aprender. Mas e os professores antas que têm a maior dificuldade e a moira preguiça de ensinar? Se você atacá-los estará atacando a elite do processo, quem manda, quem comanda, e agindo assim vc estaraia abrindo perspectivas críticas para a massa, o povo, o traalhador, o eleitor. I isto é proibido ao ver da pedagogia instrumentalista que garante o funcionamento das perversidades do capitalismo.

Ele diz que o sucesso é uma obrigação e que tirar boas notas é uma obrigação. Sim. Mas ele se esquece de identificar quais são os processos, os critérios estabelecidos para o sucesso e para a boa nota. Será que o que a escola ensina é, de fato, o que o aluno quer e precisa para mudar, e, principalmente, melhorar a sua vidda individual e social? Será que ter sucesso aprendendo as besteiras elitistas, a cultura inútil que a escola ensina é verdadeiramente um sucesso ou um fracasso? O aluno teria sim de tirar boa nota, se a escola ensinasse coisas úteis, interessante, que ampliassem a sua cultura, a visão de mundo, o nível de cultura e o entendimento das relações com o mundo, a complexidade dos problemas e dos conflitos.

Pois, por enquanto é o contrário, pois as escolas só ensinam UM MONTE DE NADA PARA COISA NENHUMA e a grande forma de inteligência, instinto de defesa está justamente na recusa em aprender. BURROS E BESTAS SÃO OS PROFESSORES IDIOTAS QUE AINDA INSISTEM NA MESMA TECLA. Ô GENTE BURRRA! Passar no vestibular é uma obrigação. Uma piada. Que vestibular? Para qual curso, qual faculdade? Para aprender quais imbecilidades?

É a maior das piadas: "PAI OU MÃE QUE LEVA O FILHO NA IGREJA NÃO O BUSCA NA CADEIA" ...kkkkkk . Por favor, né, sem palavras. Não seria o contrário, quando a igreja trabalha com aquele evangelho caquético e que no fundo é um jugo às espoliações cruéis do capitalismo, na socialização da miséria e na concentração do poder nas mãos dos brancos, dos machos e do capital, a quem o tal Jesus Cristo representa idealmente? Talvez não busque cmesmo, pois, geralmente, quem leva a vida com base no espírito da religião, da fé, do cristianismo, a exemplo da Profa. Eurídes Brito. se torna uma pessoa tão má, maquiavélica, fria, que não se incomodará nem um pouco se chegar a ver o filho apodrecer na cadeia. Justificará isto como sendo a suprema vontade de Deus e pronto. Isto sim. Ora, vamos acordar. Já passa muito do tempo...

Quando é que teremos um mínimo de inteligência, de sagacidade, de vergonha? Para só assim retirarmos o nariz de palhaço e irmos à luta? Entendendo na verdade quem é quem nesta história e de que lado do picadeiro da vida está o verdadeiro palhaço. Que me desculpem os que o são profissionalmente, é claro.


Já não passamos e muito da hora do B A S T A ?



Antonio C. Neto

Um comentário:

The Man Behind The Door disse...

Há senso comum demais como regra geral, homens escravizados por idéias egocêntricas, conceitos questionáveis e tendenciosos. No geral, falta-nos um ambiente harmonioso, estratégias e estilo de vida que colaborem, ensinem, partilhem. Acabo observando que ainda parece muito válido vivenciar uma fragilidade de relações humanas, corroborar com uma competição selvagem, desleal. Somos responsáveis por isso e aquilo, bem como vitimas dessas dinâmicas tão primitivas. Mudemos esse propósito de existência...