quinta-feira, 5 de maio de 2016

OS EFEITOS DEVASTADORES DA PASSAGEM DA TOCHA OLÍMPICA




Como aquele famoso truque que usam os assaltantes baratos nos ônibus e nos demais tumultos humanos de dar um toque forte no ombro para que a pessoa não sinta a mão leve dentro do seu bolso para levar a sua carteira, assim é a passagem da tocha olímpica pelo Brasil. Ridículo o povo brasileiro - que mais parece um secto de caipiras - correndo atrás da tocha, morrendo de emoção e com o coração saindo pela boca. Que emoção é esta? Que besteira é esta? Ainda se fosse lá na roça, quando eu nasci, no início do século passado ainda daria para entender. Mas hoje? Na capital do país? Ah! Seria cômico se não fosse trágico.
Vivemos no Brasil um momento absolutamente ímpar, de crises gravíssimas, de problemas éticos, morais, políticos e econômicos sem precedentes e o povo correndo, cheio de emoção atrás de um foguinho sem graça. O fogo sagrado kkkkk - segundo o palhaço do Galvão Bueno, claro, na TV Globo - um especialista em enganar o povo, sendo, para isto regiamente pago, evidentemente, com o nosso dinheiro, com o qual pagamos pesados impostos que, em última análise, vão para as grandes empresas privadas.
Frente a esta lavagem cerebral que santifica os jogos, a competição exaustivas, os gastos infindos, a vitória a qualquer custo, o povo suspira de emoção atrás da tocha "sagrada" (sagrada sim, pois ilumina o caminho do esporte competitivo que reproduz a operacionalização do poder, da renda centralizada, da vitória de poucos encima da derrota de muitos, o que é maravilhoso para a manutenção da ideologia e do status burguês, dos ricos, dos governantes, dos que nos comandam, e assim, sempre).
Emoção mesmo seria a redução dos juros, o aumento dos salários, da comida, do emprego, da educação de qualidade, da infra-estrutura social para que a cidadania seja real e a qualidade de vida melhore no real concreto das pessoas. Mas, pelo contrário, a alegria e a emoção da passagem da - sagrada - tocha olímpica, é, justamente, para escamotear, enganar e blefar sobre a ausência de tudo isto.
É revoltante ver que ainda hoje a sociedade brasileira - e, inclusive, a sua fatia considerada mais nobre, preparada intelectualmente, inclusive, ainda viva sob os auspícios do pão e circo.Correndo atrás de um foguinho tão ridículo quanto a sua vida política e social e ainda suspirando e morrendo de emoção por causa disso. Ridículo mesmo. Muito mais do que isto.
Brasília viveu um dia de caos com a chegada da tocha: mudança no trânsito, bloqueio de estacionamentos, muita gente na rua, organizações, comércio e serviço público funcionando pela metade. Enfim, tudo para somar aos pesados problemas que, com ou sem tocha nós já temos e vivemos.
Precisamos crescer, evoluir, construir, enfim, uma nova história. Sugiro aqui a leitura do texto: A criança que pratica esporte respeita as regras do jogo ... capitalista, de Walter Bract. Vc vai encontrá-lo no blog:www.mudandoparadigmas.blogspot.com. Veja lá. talvez a sua ficha comece a cair.

Um comentário:

Ivo Vanderlei Severo da Silva disse...

Adorei seu texto...o mundo deveria ter muitas pessoas com pensamentos assim .